Dieta pode retardar Osteoporose

Dieta pode retardar Osteoporose

Dieta mediterrânea pode retardar Osteoporose

 

Um estudo europeu com aproximadamente 1.150 pessoas sugere que a dieta mediterrânea pode ser boa para a saúde óssea.

Descobriram que idosos com osteoporose que seguiram uma dieta mediterrânea por 12 meses tiveram uma taxa muito mais lenta de perda óssea do que os idosos que não seguiram a dieta.

A osteoporose aumenta o risco de fratura, reduzindo a massa óssea e degenerando a estrutura do tecido ósseo.

A fratura de quadril é comum em pessoas idosas com osteoporose.

Isso contribui para uma crescente gama de pesquisas sobre os muitos benefícios à saúde da dieta mediterrânea, que é rica em vegetais, frutas, nozes, peixe, cereais integrais e azeite de oliva.

Taxa Reduzida de Perda Óssea

O estudo, com a duração de um ano, distribuiu aleatoriamente mais de 1.000 voluntários, com idades entre 65 e 79 anos, residentes na França, Itália, Holanda, Polônia e Reino Unido, em um de dois grupos.

Dieta mediterrânea pode retardar OsteoporoseUm grupo adotou uma “dieta mediterrânea”, e o outro – o grupo de controle – não o fez.

A dieta mediterrânea teve pouco ou nenhum efeito nos participantes cuja densidade óssea era normal, mas reduziu a taxa de perda óssea em indivíduos com osteoporose.

Comentando os resultados, a correspondente autora do estudo, Susan J. Fairweather-Tait, professora da Norwich Medical School da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, explica que um ano não é muito comparado com o tempo que leva para o osso se formar.

“Então,” ela explica, “o fato de que pudemos ver uma diferença marcante entre os grupos, mesmo em apenas uma área, é significativo”.

Como foi o Estudo

O objetivo do estudo – financiado pela União Européia – foi testar o efeito de uma dieta mediterrânea na densidade mineral óssea e nos marcadores de “degradação óssea e de colágeno” em idosos europeus.

Dieta mediterrânea pode retardar OsteoporoseA dieta incluiu: uma grande quantidade de frutas, legumes, cereais integrais, nozes, azeite e peixe; pequenas quantidades de carne e laticínios; e uma quantidade moderada de álcool.

Aqueles no grupo que seguiu uma dieta mediterrânea receberam “conselhos personalizados individualmente” sobre como aderir à dieta. Eles também receberam alimentos, como macarrão integral e azeite, e uma pequena dose de 10 microgramas de vitamina D-3 por dia.

Os autores observam que o objetivo de suplementar a dieta mediterrânea com uma pequena quantidade de vitamina D-3 era “equilibrar” a variação no efeito que diferentes quantidades de luz solar poderiam ter nos diferentes países.

Os participantes do grupo de controle não receberam nenhuma instrução, mas receberam folhetos sobre como comer de forma saudável, que normalmente são distribuídos em seu país.

Três medidas de densidade óssea, bem como amostras de sangue, foram tomadas no início e no final do estudo.

O retardamento da perda óssea no quadril durante a osteoporose

Os resultados mostraram que nos participantes que tinham densidade óssea normal, houve pouco efeito sobre as medidas de saúde óssea da dieta.

Além disso, dos participantes que tiveram osteoporose, houve o declínio da densidade óssea esperado para a idade no grupo controle.

O declínio na densidade óssea também foi observado em duas das medidas de densidade óssea – coluna lombar e corpo inteiro – nos participantes com osteoporose no grupo de dieta mediterrânea. No entanto, houve um “aumento equivalente” na densidade óssea no colo do fêmur.

O colo do fêmur é a parte superior do osso da coxa imediatamente antes da extremidade em forma de bola que cabe no encaixe da articulação do quadril.

“Esta é uma área particularmente sensível para a osteoporose”, diz o professor Fairweather-Tait, “já que a perda de osso no colo do fêmur é frequentemente a causa da fratura de quadril, que é comum em pessoas idosas com osteoporose”.

Agende sua Consulta

Artigo originalmente publicado em Medical News Today.